Como escolher boas companhias para investir

Publicado por Ricardo B.
Compartilhar o artigo Como escolher boas companhias para investir no Facebook

A maior dificuldade do investidor iniciante, certamente é descobrir quais são as boas companhias do mercado financeiro. Existem centenas de métodos disponíveis por aí, ensinando técnicas consideradas “infalíveis”, mas que, ao invés de ajudar, confundem mais ainda a cabeça.

Análise técnica e fundamentalista

Há por exemplo, quem estude analise técnica, buscando através dos gráficos e histórico de cotações, o momento certo de comprar uma ação. Por outro lado, existem os adeptos da análise fundamentalista que, através do balanço que as companhias divulgam trimestralmente e anualmente, estudam a gestão e saúde financeira, em busca de qualidade e uma boa gestão.

Tanto a análise técnica quanto a análise fundamentalista, são boas opções, porém dentro de um objetivo específico. Portanto, vale a pena se aprofundar por cada uma delas, no momento oportuno.

Fómula mágica de Greenblatt

Para ajudá-lo a encontrar boas companhias, vou me basear em uma “fórmula mágica”, ensinada por Joel Greenblatt - um renomado investidor americano e criador do fundo de investimento Gotham Capital - através do livro “O Mercado de Ações ao seu Alcance”, escrito em 2006. Aliás, considero esse livro, um dos melhores que já li sobre o assunto. Vale muito a pena você ler também!

Greenblatt, basicamente ensina um conceito que prevê uma rentabilidade acima da média para investimentos a longo prazo, em companhias bem administradas, lucrativas e que estejam sendo negociadas por um valor baixo no mercado. Para isso, ele utiliza dois indicadores fundamentalista que são bastante significativos nesse contexto, a Taxa de Retorno sobre os Lucros (EV/EBIT) e o Retorno sobre o Capital (ROIC).

A fórmula em si, é bastante simples. Basta criar duas tabelas, pode ser no próprio excel mesmo, e classificar as empresas em EV/EBIT crescente, ROIC decrescente e por fim, criar uma terceira tabela e ordenar as empresas novamente, mas dessa vez, classificando pela soma de posição das tabelas anteriores, da maior pontuação para a melhor. Exemplo:

EV/EBIT ROIC Resultado
Posição Papel Posição Papel Posição Papel
1 VALE3 1 CIEL3 1 QUAL3 (5 pts)
2 QUAL3 2 VALE3 2 CIEL3 (4 pts)
3 CIEL3 3 QUAL3 3 VALE3 (3 pts)

Ranking de ações

Para facilitar a sua vida, dentro do controlAção! existe um recurso chamado “Ranking” que, como havia dito antes, se baseia na fórmula de Greenblatt, porém, com algumas modificações importantes. A principal delas, é a substituição do indicador EV/EBIT pelo preço da ação dividido pelo lucro por ação (P/L) e ROIC pelo Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE), pois dessa forma e por questões que não faz sentido me aprofundar nesse artigo, os bancos não se prejudicam na classificação.

No Ranking que disponibilizei no controlAção!, existe uma relação com as 20 ações de companhias mais bem posicionadas, com os critérios a seguir:

  • Apenas ações blue chips cujo volume de negociações é elevado;
  • Indicador PL acima de 1 e menor que 30;
  • Indicadores EV/Ebit, Liquidez Corrente (LC) e Crescimento Recorrente (últ. 5 anos) maior que zero;
  • Ordenado pela soma da posição de classificação dos indicadores PL, ROE, Dividend Yield (DY) e Crescimento Recorrente (últ. 5 anos).

Veja que o Ranking do controlAção! apresenta dois indicadores a mais do que a fórmula de Greenblatt.

Somente o Ranking já é suficiente para começar a investir?

A resposta para essa pergunta é NÃO. Assim mesmo, em letras garrafais!

Nenhum método ou filtro automático, pode ser considerado ideal para escolher boas companhias. Obviamente, você terá que estudar muito as suas escolhas antes de começar a investir. O Ranking, é um ótimo começo, pois utiliza critérios que eliminam, mesmo que superficialmente, as companhias que não atendem essas especificações.

Portanto, escolha algumas ações do Ranking, algo entre 5 a 10 no máximo e, feito isso, crie uma aba dentro da plataforma do controlAção! e renomeie ela para "Carteira Virtual"; lance ordens de compra, para que, através de simulações, consiga acompanhar os movimentos da companhia durante um tempo.

Relação com os Investidores

Considere também, incorporar na sua rotina, um tempo para ler as notícias e se inteirar das atividades que as companhias estão realizando.

Nesse passo, é importante que acesse o canal de “Relação com os Investidores” ou simplesmente “RI”, localizado no site da companhia em questão. Esse ambiente, conta com um vasto material, tais como resultados, balanços, notícias, canais de atendimento, calendário de eventos, bonificações, entre muitas outras informações. Ter o RI dentro do website, é uma regra da CVM. Portanto, você não terá dificuldade em encontrá-lo.

Veja por exemplo, alguns exemplos de RI:

Crie o hábito de pelo menos uma vez por semana, acessar o RI das empresas que compõem a sua "Carteira Virtual" e, a cada notícia ou informação relevante que eles disponibilizarem, faça um paralelo com o valor da cotação da empresa.

Esse exercício, ajudará você a conhecer a empresa, sua organização, objetivos e metas, além de aprimorar o seu entendimento sobre os movimentos de preço no curto prazo.

Considerações finais

Espero que essas dicas possam ajudá-lo a encontrar boas companhias e, acima de tudo, criar bons hábitos para conhecê-las definitivamente. Estudar muito sobre investimentos não é uma opção, mas sim uma regra. Então, use o Ranking para que, através de um renomado conceito, consiga filtrar boas companhias e, antes mesmo de qualquer aporte, passe um período analisando suas escolhas.

Comece a investir apenas quando sentir-se confiante para isso. Tudo bem?

Ficou curioso para saber mais sobre o Ranking? Se cadastre hoje mesmo e experimente grátis durante 7 dias, sem nenhum compromisso. Aproveite!